quarta-feira, 12 de setembro de 2012

TEXTO TEATRAL: "BRINCANTES E SERES LENDÁRIOS ANUNCIAM O MESSIAS"

Anjo
Maria, José e o menino Jesus
Birico e Mateu, personagens BRINCANTES e cômicos do Boi Calemba.
 Boi Calemba
 
É um Auto popular que trata da morte e ressurreição de um boi, sendo uma manifestação folclórica ativa em várias regiões e cidades do Rio Grande do Norte. Também é a versão potiguar do bumba meu boi, composto por “enfeitados” e “mascarados”. 

Os "Enfeitados" são  divididos em Mestre, Galantes e Damas. Executando cantigas antigas, eles fazem a coreografia ao som da rabeca. O figurino é enfeitado com fitas coloridas e espelhos, proporcionando um interessante efeito visual. 

Os "Mascarados" representam a parte cômica da dança. O trio formado por Birico, Mateus e a Catirina se apresentam usando roupas vermelhas, rostos pintados e se utilizam dos gestos e paródias dos galantes. Outras figuras mitológicas integram a apresentação como a Burrinha, o Bode, o Gigante (cavalo marinho), o Jaraguá e o Boi. Os instrumentos utilizados são a rabeca, o pandeiro e alguns instrumentos de corda, podendo ser substituídos pela sanfona.
A Catirina é um homem vestido de mulher e faz parte dos seres brincantes e cômicos do Boi Calemba (personagem vestido de mulher)
Caipora I  (Este personagem no teatro pode ser representado por um homem ou mulher)

 O Caipora é o protetor dos animais e plantas da floresta. Sua atividade consiste em espantar os animais para que os caçadores não possam matá-los.
Quando encontra um caçador no mato, o Caipora começa a andar sem rumo certo até que o caçador se perca na floresta, não encontrando mais o caminho de volta para casa.
O Caipora possui o corpo todo coberto de pêlos e é muito rápido, razão pela qual o homem não consegue alcançá-lo.
Anda sempre montado em um porco-do-mato e galopa pela floresta cumprindo sua missão.
Costuma também, para desnortear os caçadores, emitir um estridente assobio que causa arrepios de pavor a todos aqueles que o escutam.
Seu nome significa "HABITANTE DO MATO".
Em algumas regiões do Brasil, o Caipora é também conhecido por CURUPIRA.
Caipora II
Caipora III
Iara ou Uiara (do tupi 'y-îara "senhora das águas") ou Mãe-d'água, segundo o folclore brasileiro, é uma sereia. Não se sabe se ela é morena, loira ou ruiva, mas tem olhos verdes e costuma banhar-se nos rios, cantando uma melodia irresistível. Os homens que a vêem não conseguem resistir a seus desejos e pulam nas águas e ela então os leva para o fundo; quase nunca voltam vivos. Os que voltam ficam loucos e apenas uma benzedeira ou algum ritual realizado por um pajé consegue curá-los. Os índios têm tanto medo da Iara que procuram evitar os lagos ao entardecer.
Iara antes de ser sereia era uma índia guerreira, a melhor de sua tribo. Seus irmãos ficaram com inveja de Iara pois ela só recebia elogios de seu pai que era pajé, e um dia eles resolveram tentar matá-la. De noite quando Iara estava dormindo seus irmãos entraram em sua cabana só que como Iara tinha a audição aguçada os ouviu e teve que matá-los para se defender e, com medo de seu pai, fugiu. Seu pai propôs uma busca implacável por Iara. E conseguiram pegá-la, como punição Iara foi jogada bem no encontro do rio Negro e Solimões, os peixes a trouxeram a superfície e de noite a lua cheia a transformou em uma linda sereia, de longos cabelos e olhos verdes.
Iara era, segundo outros, a deusa dos peixes.
Moça bonita, de cabelos demasiadamente longos, que sempre mora numa fonte em centro de mata. Vez por outra, nas horas mortas da noite, especialmente em noite de luar, canta. Diz que duma voz tão boa, bonita e tocante que o homem que a ouve morre de paixão por ela. Quando o Homem se apaixona por ela, ele é levado ao fundo do lago e é devorado pela Iara. Não se entende nada de suas cantigas porque canta em língua de índio. Se a mãe-d'água por acaso um dia morre, sua fonte seca. 
Mãe D'água a rainha das águas doces. Habita nos rios,  lagos, lagoas , riachos e segundo a lenda costuma tomar banho de cachoeira.
Mãe'água a protetora dos seres viventes das águas doces.
Guarda, protege e defende os rios, lagoas, lagos, riachos  e cachoeiras.


TEXTO TEATRAL

 Pequeno texto de autoria do professor de Arte/Ensino de Teatro Max Daniel, feito para ser apresentado na própria sala de aula, em outros locais,  ou em datas comemorativas.

* Os brincantes do Boi Calemba  e seres lendários contam a história do nascimento de Jesus Cristo, tendo os diálogos feitos e recitados em literatura de cordel.


"BRINCANTES E SERES LENDÁRIOS ANUNCIAM O MESSIAS"



MATEUS: Senhor Deus onipotente
                  pai das musas e do talento
                  Vem clarear o meu pensamento
                   para contar uma história
                   que abalou o firmamento

MÃE D´AGUA: Não vou falar de trovões

                            nem guerras e nem tempestades
                            prestem atenção na história
                            vou dizer toda a verdade
                             de quem nasceu pobremente
                             mas salvou a humanidade

BIRICO: Esta história começou

                quando o anjo Gabriel
                 foi enviado por Deus
                  cumprindo nobre papel
                  de contar na Galiléia
                  Maria serva fiel

CAIPORA:  O anjo tinha missão
                      de procurar por Maria
                       que casara com José
                       mas virgem permanecia
                       guardando puro o seu ventre
                       para a glória que viria

          (ENTRA MARIA A MÃE DE JESUS)

CATIRINA: O anjo foi encontrar
                     a esposa de José
                     que naquele instante orava
                      com humildade e com fé
                      na cidade onde viviam
                      chamada de Nazaré
      
               (ENTRA O ANJO DO SENHOR)

MATEUS: E na casa de Maria
                Gabriel ali chegando
                 ele a via cheia de graça
                 e as ordens de Deus levando
                 sem perda de tempo
                 foi então anunciando

ANJO: Maria fui enviado
             somente para anunciar
             que tu fostes a escolhida
             para em teu ventre gerar
             aquele que o mundo espera
             para todo o sempre reinar

MARIA: Aqui na minha casa , um anjo do senhor
                me causa um certo temor
                mas em tuas palavras eu vejo muito amor

ANJO: Não temas
            já fostes por Deus julgada
            merecedora da graça
            de ser a sua morada

MARIA: Como se dará?
                não tive contato com homens
                como posso engravidar

ANJO: Foste escolhida, Maria
             fica bem feliz portanto
             tua gravidez será
             obra do Espírito Santo

MARIA: Pois então que aconteça
                tal nosso Deus ordenou
                sou serva obediente
                sou escrava do Senhor

MÃE D' ÁGUA: Quando o anjo então se foi com todo o seu amor
                             Maria maravilhada  agradeceu  com muito fervor

MARIA: O meu espírito se alegra

                em Deus o meu salvador
                pois fez em mim maravilhas
                santo é o nome do Senhor

BIRICO: Maria depois da aparição do anjo

               conversou com o seu esposo José
                os dois se entenderam e caminharam a pé
                
CAIPORA: A mando de Deus foram para Belém
                   lá chegando procuraram abrigo
                   o abrigo foi negado
                   o desespero tomou conta de Maria
                   mas Deus tomou as devidas providências
                   e o menino Jesus nasceu em uma estrebaria

          (NASCIMENTO DE JESUS)
          (Entra José e Maria com o menino Jesus nos braços e coloca em uma manjedoura e o anjo fica atrás dos três)

JOSÉ: Foi assim que o filho único
            do Deus pai onipotente
             que se quizesse nascia
             no berço mais reluzente
             preferiu chegar ao mundo
             sem pompa e humildemente

MARIA: E quando Jesus nasceu
              os anjos no céu cantaram
              naquele momento as estrêlas
              mais fortemente brilharam

TODOS: Foi o nascer de Jesus
               a maior festa da Cristandade
               onde os anjos cantaram no céu
               com toda dignidade
               viva o rei dos reis
               cujas armas
               É O AMOR E A HUMILDADE  

Obs: No  final desta encenação pode  ser usada a criatividade tanto do professor, do diretor ou dos próprios alunos participantes  como por exemplo apresentações de danças folclóricas ou outras, homenageando o nascimento de Jesus Cristo.      
                


Nenhum comentário:

Postar um comentário